Tentaram usar o ministro da educação, Abraham Weintraub, como um “cavalo de Tróia”